Saber CRITICAR o outro.

Estamos a viver estes tempos com uma enorme ansiedade. Sabemos que os líderes e gestores de pessoas foram obrigados a mudar a sua forma de agir e de estar reagindo à realidade atual, mas isso não implica não sabermos comunicar, não serve de desculpa. 

A verdade é que a crítica negativa sempre existiu, mesmo antes desta pandemia. Sempre observei pessoas que não sabem criticar, repreender ou corrigir as suas equipas. 

Gritar não impõe respeito. Levantar a voz também não. 

Chamar a atenção à frente de toda a gente está errado e representa uma falta de profissionalismo e ética gigantescos.

Quem quer ser como líder? Como Gestor de equipas? Qual a imagem e significado que quer ter perante as pessoas que fazem parte do seu grupo de trabalho e do seu sucesso? São questões que deve fazer para si mesmo. 

  • Criticar é bom, desde que seja fundamentado, porque representa um alerta para as pessoas e se for bem feito, poderá resultar numa melhor performance e num maior respeito. 
  • Criticar deve ser feito quando necessário, para que o indivíduo compreenda os motivos de não estar a efectuar bem o seu trabalho e porquê.
  • Criticar de forma errada, como alguns exemplos que referi em cima, acarreta uma pressão psicológica para o indivíduo tremendamente prejudicial, para o seu trabalho, para o seu bem estar e para a sua motivação.
  • Criticar, deve promover o diálogo, para que  quem está do outro lado possa explanar o seu ponto de vista.

A crítica não tem de ser apenas negativa, também deve ser positiva. Todos os feedbacks são importantes e acredite que um elogio, uma apreciação positiva fazem o dia a qualquer colaborador. A motivação e a felicidade que um feedback positivo traz é de tal forma compensador que você, gestor focado em resultados, nem vê nem compreende. 

Daniel Goleman dá-nos algumas dicas de como criticar de uma forma certa e efetiva. Quando uma pessoa é criticada o seu estado de espírito altera-se como seria de esperar, se está a ser criticada existe um risco de desmotivação imediato. A sua crítica deve ser construtiva e ser acompanhada de uma solução. Isso vai dar uma segurança diferente ao criticado, porque sente que se importou, que errou mas que existe uma solução para esse problema. “ Esteja presente” cara a cara e em privado, sem alaridos e sem outras pessoas. Seja sensível e emocional. Estando nesta posição, não saberemos o estado de ansiedade em que se encontra a outra pessoa. Não pretendemos pessoas mais desmotivadas, pelo contrário.

Quando fala alto, inibe a outra pessoa de se defender. Quando fala de forma desagradável cria um clima de raiva e de contradição.

Este é um tema sensível nas organizações. Muitos líderes têm esta faceta e quase ninguém tem a coragem de os chamar à razão, porque são os seus líderes.

Agora reflita sobre a forma como chama a atenção dos seus colaboradores e faça melhor. Seja melhor pessoa e terá melhores pessoas ao seu lado.

0

Adriana Silva

Sou a Adriana Silva.

Sou Licenciada em Relações Humanas e Comunicação Organizacional e Mestre em Marketing Relacional.

Comments

  1. Ana Amélia Silva

    Boas dicas!
    Este tema está inserido num problema mais vasto que é a comunicação em ambiente empresarial . Saber comunicar é algo extremamente importante, e ainda mais hoje em dia, em que o não estar em contacto mais próximo se torna desafiante. Esta lacuna leva a falta de relacionamento interpessoal e cria dúvidas e insegurança.
    Ao criticar também é importante perceber até que ponto factores contextuais levaram à situação em causa e ter cuidado para não se ser injusto na crítica.

    0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *