Maternidade vs Retornar ao trabalho

Maternidade vs Retornar ao trabalho

Não sou mãe.

Ainda não compreendo esse significado na sua totalidade porque nunca o vivi na pele. No entanto, conheço muitas mães e sempre convivi com imensas crianças, reconhecendo o impacto que as mesmas têm na nossa vida e as mudanças que acontecem em prol disso.
Não sou mãe, mas sou observadora. Vejo imensas realidades de trabalho diariamente e interajo com colegas e amigas que foram mães e que estão em diferentes sectores de actividade.
Não sou mãe e mesmo assim não compreendo a ideia de muitas mães em esmorecer no trabalho, em desistir das suas carreiras profissionais, em perder o entusiasmo, a força e a revigoração. Porque foram mães? Porque “ a prioridade da minha vida mudou”? Não posso aceitar isso.
Ser mãe é um cargo humano de responsabilidade, de amor e de educação. Ser mãe é mostrar a um ser humano em aprendizagem o que é o mundo, o trabalho e a vida. Ser mãe não significa tomar prioridades ou mudar a nossa ambição. Conheço grandes mães que são grandes profissionais que não deixam nenhum amor de lado. Por conhecê-las e reconhecê-las é que não compreendo.

O nosso filho é o elemento mais importante da nossa vida, acredito e sei disso. Mas sei que o amor vive e sobrevive com outros amores e por sermos mães não significa deixar o nosso amor de lado para amar “ com mais força” do outro. Não existe isso.

Lisa Barrow, é uma aspirante deste tema e explorou os vários factores económicos que fazem a mãe voltar ao trabalho depois de ter um filho. Reparem, factores económicos! E não fatores de vontades e de quereres!

Convido-vos a dar uma vista de olhos no artigo que Lisa Barrow escreveu

Lisa defende que muitas mulheres voltam ao trabalho pelo aumento de despesas familiares neste período.
Acha que hoje em dia o factor económico é determinante? Até pode ser, mas não acredito que isso influencie de todo o entusiasmo de retornar.

Acredita que a vinda de um filho influencia a sua vontade de continuar a crescer e a desenvolver competências?
Se sim, porquê?

Fico a aguardar os vossos comentários. É um tema intrigante para mim e quem sabe, se no futuro não irei alterar a minha opinião.

5

Adriana Silva

Sou a Adriana Silva.

Sou Licenciada em Relações Humanas e Comunicação Organizacional e Mestre em Marketing Relacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *